MATÉRIA PRIMA / PROCESSOS

O sisal (gênero Agave spp. L., família Agavaceae), da espécie A. sisalana é planta utilizada como matéria-prima na produção dos fios pela COSIBRA . É costumeiramente cultivada em regiões semi-áridas por ser resistente á aridez e ao sol intenso. No Brasil, os principais produtores são os estados da Paraíba e da Bahia.

Do agave, utiliza-se principalmente a fibra das folhas que, após o beneficiamento, é destinada majoritariamente à indústria de cordoaria (cordas, cordéis, tapetes etc), sendo considerada a fibra vegetal mais dura que existe.

Agave Sisalana, é uma planta originária do México. Os primeiros bulbilhos da planta foram trazidos provavelmente da Flórida, através de uma firma americana. Foi difundido inicialmente no estado da Paraíba e somente no final da década de 30 na Bahia.

Atualmente o Brasil é o maior produtor de sisal do mundo e a Bahia é responsável por 80% da produção da fibra nacional. Teve seu apogeu econômico durante a Crise do Petróleo nas décadas de 60 e 70. A necessidade de preservação da natureza e a forte pressão dos grupos ambientalistas vêm contribuindo para o incremento da utilização de fios naturais, pois a fibra sintética demora até 150 anos para se decompor no solo, enquanto a fibra do sisal, em meses, torna-se um fertilizante natural.

Os principais produtos são os fios biodegradáveis utilizados em artesanato, cordas de várias utilidades, produção de estofados, pasta para indústria de celulose, produção de tequila, tapetes decorativos, remédios, biofertilizantes, ração animal, adubo orgânico e sacarias. As fibras podem ser utilizadas também na indústria automobilística, substituindo a fibra de vidro.

O ciclo de transformação do sisal em fios naturais tem início aos 3 anos de vida da planta, ou quando suas folhas atingem até cerca de 140 cm de comprimento que podem resultar em fibras de 90 a 120 cm. As fibras representam apenas 4 a 5% da massa bruta da folha do sisal. As folhas são cortadas a cada 6 meses durante a vida útil da planta que é de 6 anos. Ao final do período é gerada uma haste (inflorescência), a flecha, onde surgem às sementes de uma nova planta. Uma característica da família é que a planta morre após gerar as sementes.

A planta apresenta um melhor rendimento na Região Sisaleira na Bahia (260 km da capital Salvador). A área abarca 500 mil habitantes e 22 municípios que, em sua maioria, sobrevivem ou tem sua renda relacionada ao sisal.

Em 1910, a Fazenda Bebedouro importou para o município de Santa Luz as primeiras mudas da planta. A partir daí, ela se espalhando por toda a região. Os municípios de Santa Luz, Conceição do Coité e São Domingos, Valente (conhecida como a capital do Sisal) foram os que mais se destacaram no cultivo do sisal e se tornaram referência nessa área. Hoje em dia Conceição do Coité é o maior produtor de Sisal.

A região do Sisal tem uma cultura bastante diversificada, onde tradições antigas tentam resistir à modernização que aos poucos modifica alguns cenários da região. Tradições como o Reisado, o Boi Roubado e a Literatura de Cordel possuem fiéis adeptos. Existem ainda os grupos de cantiga de roda como as Cantadeiras do Sisal e diversos grupos de teatros formado na sua maioria por jovens.

Conheça o processo de produção